Saltar para o conteúdo

Mundial 2021: Empates marcam o dia

1200x680_PT

No terceiro dia do IHF Men’s World Championship contabilizaram-se 8 jogos, onde se previa uma natural vantagem de algumas seleções Europeias, nomeadamente Espanha e Croácia, que foram surpreendidas por Brasil e Japão, respetivamente.

Grupo A


Alemanha – Uruguai

A seleção alemã entrava com favoritismo para defrontar a seleção do Uruguai. Com um resultado bastante avolumado – à semelhança do que tinha acontecido ontem no Eslovénia-Coreia do Sul, 51-29 – a Alemanha carimbou a sua primeira vitória por 43-14. Ao intervalo já vencia por 16-4.
Timo Kastening foi o melhor marcador da partida com 9 golos em 11 remates, já do lado do Uruguai o mais esclarecido foi Diego Morandeira com 4 golos em 7 remates.
De destacar os guarda-redes alemães que terminaram com eficácia conjunta de 59%Johannes Bitter com 9 defesas e 13 remates e Silvio Heinevetter com 11 defesas em 21 remates.


Hungria – Cabo Verde

Jogo onde o favoritismo recaía mais uma vez sobre a equipa europeia, embora o olhar dos portugueses estivesse sobre os 7 atletas da seleção cabo-verdiana que atuam nos campeonatos portugueses e, os restantes 4 disponíveis, tiveram longas passagens em Portugal.

Os “Tubarões Azuis” apresentaram-se apenas com 11 jogadores pois jogadores como Bruno Landim – lateral direito do Sporting Club da Horta, Rafflino Andrade – lateral direito da Artística de Avanca, Elledy Semedo – primeira linha do Madeira SAD e Fernando Dias – atleta do Boa Hora FC, encontram-se em Portugal à espera do resultado dos novos testes de despistagem à COVID-19 para se juntarem à sua equipa no Egipto.

Ainda assim os caboverdianos não baixaram os braços, depois de uma entrada menos conseguida, sofreram um parcial de 5-0, reagiram com um parcial de 0-4, com Gualter Furtado a abrir as hostilidades. Apesar da luta, da defesa bastante aguerrida o cansaço fez-se sentir e o resultado foi-se avolumando a favor da Hungria.

O resultado que era de 19-14 ao intervalo, fixou-se em 34-27 ao fim dos 60 minutos.

De notar a excelente nota para uma estreia da seleção de Cabo Verde, apesar de todas as condicionantes.

O jogador mais evidente e com distinção de MVP foi Gabor Ancsin com 7 golos, do lado dos “visitantes” o destaque vai para Leandro Semedo com 6 golos.

Imagem IHF

Grupo B


Espanha – Brasil

O jogo entre Espanha e Brasil foi uma das surpresas deste terceiro dia de competição. Os espanhóis, bicampeões europeus e crónicos candidatos ao título, defrontaram e (tiveram que suar) para empatar contra a seleção “ferida” do Brasil.

Os brasileiros tiveram baixas como: Marcus Oliveira – treinador principal, Thiagus Petrus – especialista defensivo do FC Barcelona, talvez o brasileiro mais cotado no mundo do andebol, Felipe Borges – ponta esquerda com passagem pelo Sporting CP, Leonardo Terçariol – guarda-redes do BM Benidorm de Espanha.

Apesar de todas estas baixas e de todas as condicionantes que a seleção brasileira enfrenta, os comandados, desta vez por Leonardo Bortolini, entraram bem na partida – com uma defesa forte, coesa e várias saídas rápidas.

Uma entrada forte dos “visitantes”, 0-4, fez com que a Espanha reagisse e conseguisse entrar novamente no jogo empatando o jogo a 6 bolas.

Ao intervalo eram os espanhóis que lideravam o marcador por 16-13 e na segunda parte voltaram a entrar mais fortes chegando aos 6 golos de vantagem, 24-18, aos 39 minutos.

No entanto, foi a vez do Brasil reagir e conquistar novo empate já dentro dos 10 minutos finais. Os brasileiros ainda passaram para a frente pela mão de Rogério Moraes – pivot do Veszprém – que fez o 28-29, mas foi Raúl Entrerrios – primeira linha do FC Barcelona – que fixou o resultado final em 29-29.

O MVP da partida foi Haniel Langaro – lateral esquerdo do FC Barcelona – com 6 golos.

Já do lado espanhol foram vários os jogadores com 4 golos apontados: Joan Canellas – primeira linha do Pick Szeged, Ferran Solé – ponta direita do Paris SG – e Angel Fernandez – ponta esquerda do Vive Kielce.

De destacar ainda a boa prestação dos guarda redes, do lado espanhol Gonzalo Perez de Vargas – 17 defesas, 38% de eficácia – e do lado brasileiro Rangel da Rosa – 12 defesas, 30% de eficácia.


Tunísia – Polónia

No segundo jogo do grupo B “equilíbrio” foi a palavra de ordem. Foi a seleção polaca que entrou melhor mas rapidamente a seleção tunisina conseguiu reagir e passar para a frente do marcador.

Ao intervalo, o resultado refletia um empate a 17 bolas.

Sucessivos empates e vantagens de 1/2 golos para a Polónia deixavam a incerteza sobre o resultado final. O último golo foi apontado por Jihed Jaballah que fixou o 28-30.

O MVP da partida foi Arkadiusz Moryto – atleta do Vive Kielce – com 11 tiros certeiros. Do lado da Tunísia o melhor marcador foi Mosbah Sanai – atleta do Steaua București – com 9 golos em 10 remates.

Imagem IHF

Grupo C


Qatar – Angola

Foi a seleção do Qatar a primeira equipa a vencer no Grupo C, depois de bater a seleção angolana por 30-25.

Ao intervalo a vantagem já sorria à equipa na condição de “local”, pela margem mínima 14-13.

Na segunda parte, a seleção de Frankis Carol, atelta do Sporting CP, conseguiu conquistar alguma margem no marcador mas a equipa de Elias Antonio, atleta do Madeira SAD, não se deixava bater facilmente.

Os angolanos começaram a sentir mais dificuldades em ultrapassar o experientíssimo Danijel Šarić – 43 anos, três seleções e muitas medalhas no palmarés – e Ahmad Madadi com 8 golos em 9 remates a ser decisivo e a merecer a distinção como MVP.

No jogo que inicialmente era orientado pelos portugueses Duarte Santos e Ricardo Fonseca, assistiu-se a um episódio algo “caricato” – aos 44 minutos e 31 segundos de jogo os portugueses foram substítuidos devido a uma lesão de Ricardo Fonseca na perna esquerda, não conseguindo apurar a gravidade da mesma esperamos que se resolva rapidamente.


Croácia – Japão

À semelhança do jogo entre Espanha e Brasil, este era mais um jogo onde a seleção europeia tinha um natural favoritismo, mas nem isso fez com que os japoneses receassem enfrentar os vice-campeões europeus.

Foram os croatas os primeiros a marcar mas aos 11 minutos de jogo o Japão já vencia por 5 bolas, 2-7.

Os japoneses foram mantendo a vantagem, com uma defesa sólida, causavam muitas dificuldades ao ataque croata – recheado de estrelas do andebol mundial.

Ao intervalo a vantagem era dos “visitantes” com o resultado fixado em 14-17.

A Croácia entrou determinada a retomar a liderança do jogo – que só tinha conseguido no primeiro instante do jogo com o 1-0 – mas os japoneses continuavam consistentes e queriam surpreender a Croácia – já o estavam a fazer.

Os croatas, pela mão de Ilija Brozović – atleta do TSV Hannover-Burgdorf – chegaram ao empate a 23 bolas aos 48 minutos. Seguiram-se sucessivos empates e vantagens de 1 golo para a seleção do Japão.

Ivan Cupic evitou a derrota ao assinalar o resultado final 29-29 da linha de 7 metros.

Destacar o lateral esquerdo japonês – e MVP da partida – Yuto Agarie com 5 golos. Do lado croata, o pivot Marino Maric foi o mais esclarecedor com 7 golos.

Imagem IHF

Grupo D


Argentina – República do Congo

Foi a equipa da Argentina – no úlitmo mundial disputado em conjunto pelos 3 irmãos Simonet – quem entrou melhor e conquistou a primeira liderança no marcador.

Ao longo da primeira parte a seleção da República do Congo lutou sempre para tentar conquistar a vantagem no marcador. E, após sucessivos empates, Audray Tuzolana apontou o 13-14 a favor dos “visitantes” e foi assim que as equipas recolheram ao balneário.

Aos 4 minutos da segunda parte Diego Simonet voltou a pôr a seleção argentina na frente do marcador ao apontar o 16-15, liderança que não mais perderam.

O resultado final fixou-se em 28-22.

Os melhores marcadores da partida foram Federico Pizarro, Diego Simonet e Ramiro Martinez do lado da Argentina com 5 golos cada. Do lado da República do Congo Johan Kiangebeni Kawola foi o melhor marcador com 7 golos.


Dinamarca – Bahrain

Jogo de um só sentido em que desde o apito inicial a seleção dinamarquesa marcou a sua posição e conquistou a vantagem no marcador.

No final da primeira parte Mathias Gidsel – lateral direito do GOG Håndbold – apontou o 19-10, resultado que se fixou ao intervalo.

A segunda parte foi gerida pela seleção da Dinamarca que venceu por 14 bolas de diferença, 34-20.

O melhor marcador e MVP da partida foi Mathias Gidsel com 10 golos em 11 remates. Do lado do Bahrain Mohamed Ahmed foi o melhor marcador com 8 golos em 9 remates.

Partilha nas Redes Sociais!

Deixe um comentário





Interessado em impulsionar o Andebol?

O principal objectivo da 7M é promover o Andebol, tanto a nível Nacional, como Internacional, seja Feminino ou Masculino.

Ema Bastos

Treinadora de andebol e estudante de Marketing, Ema pertence à equipa da 7Metros desde fevereiro de 2018, onde é Diretora de Marketing e Comunicação. O andebol é a sua grande paixão e, juntamente com a 7Metros, tem como objetivo fazer crescer a nossa modalidade em Portugal.