Saltar para o conteúdo

Dia 9 no Mundial do Egipto

Dia 9 no Mundial do Egipto

O Mundial do Egipto continua de vento em popa e o nono dia da competição viu grandes jogos, vitórias esclarecedoras e algumas surpreendentes. Tanto na Main Round, como na President’s Cup, ainda existem várias equipas em competição.

Uruguai – Polónia

A Polónia entrou a vencer na Main Round do Mundial depois de baterem o Uruguai de forma convincente por 16-30.

Duas equipas com objetivos diferentes nesta competição, a seleção polaca entrou forte e dominou desde o apito inicial, nunca dando oportunidade à sua congénere uruguaia. Ao intervalo a vantagem já era de cinco golos (9-14), e no segundo tempos os jogadores sul-americanos apenas marcaram em sete ocasiões.

Em termos individuais, Maximo Casas foi o melhor marcador do Uruguai ao ter apontado seis golos em seis tentativas, enquanto que do lado da Polónia, Arkadiusz Moryto destacou-se por ter terminado com oito golos e 100% de eficácia.

Dia 9 no Mundial do Egipto

Angola – RD Congo

A RD do Congo conseguiu a sua primeira vitória neste Mundial, ao bater a seleção angolana por 31-32 com um golo já no último minuto.

Angola entrou melhor na partida. Uma equipa mais habituada aos grandes palcos mundiais, depressa conseguiram uma vantagem de cinco golos com 15 minutos jogados. O Congo conseguiu estabilizar o seu jogo, e reduzir a diferença, de tal forma que ao intervalo a sua desvantagem era de dois golos, 15-13.

No segundo tempo o conjunto congolês entrou forte e depressa chegou ao empate, mas a seleção Angolana voltou a distanciar-se, desta vez chegando apenas aos dois golos de vantagem.

Com 45 minutos de jogo o Congo chegou pela primeira vez à vantagem, e pouco tempo depois conseguiram chegar aos dois golos, mas Angola não baixou os braços e voltou a conseguir o empate a menos de cinco minutos do final.

Ambas as equipas procuravam a vitória e assistíamos a trocas de liderança constantes. A incerteza reinava, mas a 26 segundos do final, Steeven Olivier conseguiu uma interceção e marcou de contra-ataque, dando assim a primeira vitória neste Mundial ao Congo.

Hungria – Brasil

A seleção da Hungria entrava em vantagem nesta partida, chegada a este Main Round com os 4 pontos possíveis enquanto que o Brasil apenas trazia 1 ponto e, se queria continuar na luta, tinha que derrotar a seleção húngara.

No início da partida predominava o equilíbrio e os brasileiros inspirados e guiados por Haniel Langaro – 3 golos nos primeiros 8 minutos – iam-se mantendo na luta do jogo. Ainda dentro do primeiro quarto de hora José Toledo, lateral direito, sofreu uma lesão aparatosa no joelho saindo carregado na maca do recinto.

A Hungria não abrandou o ritmo e conseguiu conquistar uma vantagem confortável no marcador – Bencé Banhidi e Dominik Mathé não davam hipótese à defesa brasileira.

Ao intervalo a vantagm era de 5 bolas, 16-11. Na segunda parte, a seleção brasileira voltou a ter Haniel Langaro – que se havia apagado na segunda metade da primeira parte – mas apenas conseguiram reduzir a vantagem para 3 bolas. Os húngaros voltaram a quebrar a defesa brasileira, orientados por Lekai Mate, e conquistaram uma vitória tranquila por 29-23.

A Hungria segue com 6 pontos, liderando o grupo. A seleção brasileira segue com o ponto conquistado na fase preliminar.

Dia 9 no Mundial do Egipto

Espanha – Alemanha

À entrada na partida ambas as equipas se encontravam abaixo dos lugares que garantem o acesso aos quartos de final do Mundial – Espanha provisoriamente em 3º lugar com 3 pontos seguida da Alemanha com 2 pontos. Posto isto, visto serem duas “super” seleções, com historiais que as comprometem a altos objetivos como as medalhas, antevia-se um jogo bem disputado durante 60 minutos e assim foi.

As seleções entraram em campo com os sistemas defensivos que as caracterizam: uma Espanha a apresentar uma defesa muito profunda, oscilando entre o 5:1, 4:2 e 3:2:1, obrigando a primeira linha dos germânicos a jogar longe do campo de ação. Os alemães, como seria de esperar, a utilizar o habitual 6:0 com algumas oscilações a procurar o contacto com o portador da bola.

Um início de jogo algo tímido onde o primeiro golo só apareceu ao fim de 3 minutos através da linha de sete metros, apontado por Marcel Schiller.

Poucos golos e muitas sanções marcaram o início do jogo, aos 10 minutos Sebastian Firnhaber, terceiro defensor alemão, era sancionado pela 2ª vez na partida o que colocava a sua continuidade em campo em causa.

A seleção espanhola conseguiu tomar a liderança no marcador proveniente das suas transições rápidas, fosse em contra-ataque direto ou em situação de contra-golo. A vantagem que chegou a ser de 4 golos, ao intervalo era de 3, 16-13 a favor dos espanhóis.

Na segunda parte os alemães voltaram mais fortes e deram a Espanha a provar o que tinham sofrido na primeira parte – apresentaram uma defesa mais aguerrida que promoveu alguns turnovers da equipa espanhola que se converteram em golos fáceis em transições ofensivas rápidas dos alemães.

Kai Hafner e Timo Kastening eram os mais certeiros nesta fase de jogo e voltaram a colocar a sua equipa em vantagem no marcador aos 37 minutos, com o ponta direita a apontar o 19-20 – liderança que não acontecia desde o 3-4 à passagem do minuto 8.

Os espanhóis não se deixavam rebaixar com as bolas aos postes e infelicidade na concretização e Raúl Entrerrios, com toda a sua experiência, a voltar a dar confiança à sua seleção que voltou a liderar passados 10 minutos.

Os “nuestros hermanos” não mais se deixaram apanhar, colocaram o pé no acelerador e dispararam para os 5 golos de vantagem. Uwe Gensheimer ainda apareceu a reduzir a desvantagem que foi insufuciente para contrariar a derrota que se fixou em 32-28.

Angel Fernandez voltou a ser o melhor marcador dos espanhóis com 6 golos. Do lado alemão Timo Kastening foi o mais certeiro com 7 golos

Assim Espanha soma 2 pontos, ascendendo ao 2º lugar do grupo enquanto que a Alemanha se mantém com os 2 pontos que arrecadou na fase preliminar do Mundial.

Dia 9 no Mundial do Egipto

Japão – Argentina

Japão chegou a esta Main Round do Mundial como “outsider” e trazia consigo um ponto, fruto do empate frente à Croácia na fase preliminar, enquanto que a Argentina chegou a esta fase com dois pontos fruto da vitória sobre o Bahrain.

A seleção argentina – que via o seu líder Diego Simonet de regresso – entrou nesta partida determinada a vencer e apenas permitiu um empate ao longo de toda a partida nos primeiros minutos com o 1-1, depois disso os argentinos não permitiram que os japoneses – reconhecidos pela sua velocidade de jogo – se aproximassem no marcador.

Ao intervalo a vantagem era de quatro golos, 13-17.

Uma segunda parte bem disputada e equilibrada, mas a seleção argentina nunca deixou fugir a liderança e conquistou a vitória por 24-28.

Tatsuki Yoshino foi o melhor marcador dos japoneses com seis golos. Do lado da Argentina, Federico Pizarro foi o melhor marcador com dez golos e ainda duas assistências.

Os argentinos seguem no 3º lugar do grupo com quatro pontos enquanto que o Japão se encontra em 5º lugar com apenas um ponto.

Dia 9 no Mundial do Egipto

Croácia – Bahrain

No primeiro jogo do grupo II da Main Round do Mundial para ambas as seleções, a Croácia não teve grandes dificuldades em derrotar o Bahrain por 28-18. Como seria de esperar, tendo em conta o grande favoritismo da seleção Croata, o jogo não teve grande história.

O ritmo bastante alto imposto pela Croácia no ataque e a agressividade defensiva que iam demonstrando desde o início do encontro permitiram logo à seleção europeia garantir uma vantagem de 6 golos (7-1) nos 10 minutos iniciais. O Bahrain ia tendo muitas dificuldades em ultrapassar Marin Sego, guarda-redes Croata, e nunca conseguiram realmente entrar na luta pelo jogo, tendo acabado por sair para o intervalo a perder por 13-8. Para a 2ª parte a Croácia limitou-se a controlar o jogo, aproveitando para dar minutos a alguns atletas que até aqui tinham tido pouco tempo de jogo, e até ao final do encontro ainda conseguiram aumentar a vantagem para 10 golos, acabando por vencer 28-18.

Com esta vitória a Croácia soma agora 5 pontos e está provisoriamente no 1º lugar do Grupo II, enquanto que o Bahrain mantém-se com 0 pontos e no último lugr do grupo. A nível individual Marin Sego (41% de eficácia de defesas) acabou por ser considerado o MVP da partida, enquanto que Zlatko Horvat, com 8 golos em 10 remates, foi o melhor marcador da partida.

Dinamarca – Catar

Os campeões do mundo em título entraram da melhor forma na Main Round do Mundial ao vencer a seleção do Catar por 32-23.

Os primeiros 15 minutos da partida disputada no Cairo Stadium Hall 1 foram bastante equilibrados, com o Catar a conseguir dar bastante luta aos atuais detentores do título. Contudo, na segunda metade do primeiro tempo, devido a uma melhoria do trabalho defensivo e grande eficácia no ataque – a Dinamarca acabou a 1ª parte com 82% de eficácia ao nível do remate – a seleção do norte da Europa conseguiu disparar no marcador e saiu para o intervalo a vencer por 17-12.

Uma entrada horrível por parte do Catar na 2ª parte permitiu à Dinamarca aumentar ainda mais a vantagem, tendo mesmo chegado a estar a vencer por 10 golos. Frankis Marzo, lateral do Sporting CP, ia praticamente sozinho tentado rumar contra a maré do lado Catar e muito graças a ele o Catar conseguiu esboçar uma pequena reação, fazendo um parcial de 0-5 a meio da 2ª parte aumentado a esperança de ainda poderem conseguir um resultado positivo. No entanto, tal esforço valeu de pouco, visto que a Dinamarca conseguiu voltar a aumentar a vantagem, acabando por vencer a partida por 9 golos.

Assim a Dinamarca tem agora 6 pontos e lidera o grupo II da Main Round, estando a apenas uma vitória da qualificação para os quartos-de-final. Já o Catar soma 2 pontos e já não depende só de si para se poder qualificar. Individualmente, o jovem lateral Dinamarquês, Mathias Gidsel, foi o MVP ao apontar 6 golos e 5 assitências, enquanto que do lado do Catar, Frankis Marzo conseguiu marcar 12 golos em 17 remates.

Partilha nas Redes Sociais!

Deixe um comentário





Interessado em impulsionar o Andebol?

O principal objectivo da 7M é promover o Andebol, tanto a nível Nacional, como Internacional, seja Feminino ou Masculino.

Leonardo Bordonhos

Membro da equipa desde 2018, o Leonardo concilia as posições de Diretor de Redação e Redes Sociais da 7Metros. Ganhou o gosto pelo andebol quando começou a praticar a modalidade no Almada AC, e desde então procura fazer crescer o desporto em Portugal. Licenciado e Mestre em jornalismo desportivo, podem acompanhá-lo no Twitter: @leo_bordonhos